A MELHOR ESTRATÉGIA para PASSAR na primeira fase da OAB

Olá, Jovem Jurista.

Passar na OAB é mais uma questão de estratégia que de conhecimento. Para falar a verdade, passar na OAB tem a ver com o modo (estratégia) como você organiza o seu conhecimento.

E a razão é simples: estudar para a OAB não é a mesma coisa que estudar para outros concursos.

Você pode até não acreditar, mas foi usando uma estratégia muito simples que eu passei na OAB ainda no 8º período sem muitas dificuldades e com uma média bem acima do necessário para ser aprovado.

Neste post, eu quero lhe ensinar como replicar a minha experiência.

2018-11-17

Antes de falar da minha estratégia, porém, você precisa saber que o Exame da OAB não possui concorrência e é justamente esta característica que o diferencia dos outros concursos públicos.

Primeiramente você precisa saber o que é uma concorrência para, depois, entender porque esta é uma vantagem da prova da OAB e é este diferencial que irá determinar a sua estratégia.

Em matéria de concursos, a concorrência é obtida com uma média aritmética calculada pela divisão do número de pessoas que prestam o concurso e o número de vagas disponíveis. Por exemplo, se um concurso oferece 100 vagas para determinado cargo e 1000 candidatos se inscrevem nesta prova, então são 10 candidatos disputando uma vaga.

A consequência de um sistema de concorrência é que só quem se classificar entre o número de vagas é que se tornará servidor público. É por isso que é possível que você seja aprovado em um concurso, mas nunca seja nomeado. No exemplo acima, se você não ficou até o 10º colocado você não será nomeado. Quem nunca ouviu a expressão “ganhou, mas não levou”. É triste, mas é a realidade.

E hoje em dia a concorrência é cada vez mais elevada no mundo dos concursos. E a concorrência só existe porque as vagas são limitadas e o número de candidatos é grande. Deu pra entender?

Porém, diferentemente de qualquer outro concurso, a OAB não possui vagas limitadas, isto é, não é uma prova que só classifica os candidatos que ficarem dentro do número de vagas. Simplesmente porque na OAB não há vagas. Logo, também não há concorrência.

Isto significa que todos aqueles que forem aprovados já poderão se considerar advogados (É claro que existem uma série de documentos que você precisará apresentar e também deverá realizar um juramento).

E é o fato de não ter vagas nem concorrência que determinará a sua estratégia.

Sabe porque? Bom, quando você está disputando vagas limitadas com os seus concorrentes você tem que ser melhor do que eles. Vale dizer, você tem que saber tudo o que eles sabem e ainda saber um pouco mais. Porém, quando você não tem concorrência você só tem que se preocupar consigo mesmo. E isso altera completamente a sua estratégia.

Sabendo disso, chegou a hora de lhe explicar a minha estratégia.

2018-11-17

Antes, eu preciso lhe explicar como é que ocorre a aprovação na OAB, já que não há concorrência. Bom, pelas regras atuais a prova possui duas fases. Uma objetiva e outra dissertativa. Na objetiva, são 80 questões e o candidato precisa acertar a metade (40 questões). Já na dissertativa, são quatro questões abertas (valendo 4,0 pontos) e uma peça profissional (valendo 6,0 pontos), onde o candidato tem que obter 6,0 pontos no total.

Assim, conseguindo obter a nota 5,0 na primeira fase e 6,0 na segunda fase, o candidato está aprovado e apto a advogar, independentemente da nota dos outros advogados. O candidato, portanto, poderá ser advogado obtendo as notas mínimas.

Pois bem. A grande pergunta é: qual a melhor estratégia para conseguir esta pontuação mínima?

Se você se lembra, eu disse que a estratégia para concursos é diferente da estratégia para passar na OAB.

Quem já estudou para concursos sabe que, para ser aprovado, você tem que se dedicar mais às matérias que você é ruim ou sabe menos. Todos os que passaram fizeram isso. Mas se você fizer isso na OAB você não vai passar. E não é isso que você quer, correto?

Então, COMO PASSAR NA OAB ESTUDANDO ESTRATEGICAMENTE?

Eu dividi a estratégia em duas fases:

PRIMEIRA FASE:

Dedique-se às disciplinas que você já é bom ou gosta de estudar, desde que a soma destas disciplinas alcancem um limiar próximo a 50% da pontuação da prova.

Para entender esta parte da estratégia é preciso contextualizá-la com a própria faculdade de direito.

Pela minha experiência de anos como professor universitário, se você não aprendeu uma disciplina durante os 4 ou 5 anos de faculdade, você não conseguirá aprender em poucos meses.

Então, eu proponho que ao invés de você querer aprender as matérias que você menos gosta e menos sabe, você deve aprofundar as matérias que mais gosta, mais sabe e tentar melhorar nas matérias parecidas. Por exemplo, se você é bom em constitucional você pode tentar melhorar em administrativo, se você é bom em civil pode tentar melhorar em processo civil etc.

Lembre que você não tem concorrência, você só tem que acertar o mínimo.

Mas para isso você tem que saber de uma outra coisa, que é o mapeamento da quantidade de questões que cai por disciplina na OAB. Porque de nada adiante você aprofundar seus conhecimentos nas matérias que você gosta e nas semelhantes se elas possuem pouquíssimas questões na OAB. Por exemplo, não adianta você gostar de Direito Internacional Público e, naturalmente, de Direitos Humanos se cada disciplina só possui 2 questões no Exame da Ordem!

Por exemplo, quando eu fiz a OAB eu era nitidamente bom em duas matérias (constitucional e administrativo) e tinha muita motivação para estudar outras duas (penal e processo penal, porque queria ser defensor público). Na época, estas disciplinas possuíam 10 questões cada uma. Afora isso, sempre cobravam 10 questões de ética profissional (percentual que se mantém). Então, só em 5 disciplinas (as que eu era bom + ética profissional) eu já estava disputando 50 questões de 100 possíveis (na minha época, 2009, a primeira fase tinham 100 questões, e não 80, como é hoje).

Se eu acertasse de 80% a 90% destas questões (porcentagem bem possível para quem é bom em uma disciplina), o caminho para a aprovação estaria bem trilhado.

Vamos pegar o mapeamento das questões atuais feita pelo Blog Exame de Ordem e ver se essa minha estratégia teria funcionado ainda hoje.

oab1

Vamos lá. Ética Profissional (8), Constitucional (7), Administrativo (6), Penal (6) e Processo Penal (6), totalizando 33 questões. Bom, não foi tão bem quanto na época em que eu fiz a prova, mas veja que são 33 de 40 questões. O caminho ainda continua bem favorável.

Mas você me perguntaria: professor, 33 questões são insuficientes para eu ser aprovado. Aí é que você partiria para a segunda etapa da estratégia.

SEGUNDA FASE:

Dedique-se às disciplinas que você não é bom, desde que elas tenham bastante questões.

Para isso, você também deverá consultar o mapeamento das questões. O Blog Exame de Ordem separou as disciplinas que mais caem por grupos. O seu papel é ver quais são as disciplinas que podem complementar o número de questões para você atingir o mínimo.

oab2

Vamos fazer uma simulação com o meu exemplo que citei acima. Ao você estudar apenas as matérias que você é bom, você iniciaria disputando 33 de 40 questões. Vamos supor que você acerte 30 das 33 (isto é possível, acredite!). Assim, você teria 40 questões para acertar 10 e garantir o mínimo, o que também não é uma tarefa difícil, se você seguir a minha técnica.

Se vocês observarem na tabela acima, vejam que as disciplinas que devem ser priorizadas são as do GRUPO A.

Se você pensar direitinho, esta estratégia é muito melhor do que estudar as disciplinas aleatoriamente ou tentar tirar o atraso de anos em poucos meses. Vai na minha que vai dar certo!

Para os interessados, eu passei ainda no 8º período da faculdade com certa facilidade. Nesta época eu já era servidor do Tribunal de Justiça de Pernambuco, concurso que eu passei no 2º período da faculdade.

Pois bem. Para finalizar este post, proponho um resuminho da estratégia matadora:

PRIMEIRA FASE:

Dedique-se às disciplinas que você já é bom ou gosta de estudar, desde que a soma destas disciplinas alcancem um limiar próximo a 50% da pontuação da prova (aqui é preciso considerar as questões da disciplina Ética Profissional).

SEGUNDA FASE:

Dedique-se às disciplinas que você não é bom, desde que elas tenham bastante questões.

É isso, Espero que este post tenha ajudado. Até uma próxima.

Anúncios

Deixe uma resposta