BLOG DE ADVOGADO [4]: ESCREVER PARA LEIGOS (DICA 2)

    Olá, Jovem Jurista! No post passado, mostrei uma primeira forma de escrever para seus futuros clientes. Hoje quero mostrar uma segunda: Você pode aproveitar eventos populares para explicar ao seu avatar qual a decisão deveria ser tomada. E aqui você não necessariamente deve se manifestar sobre um caso concreto real, pois isso poderia lhe render alguns problemas com o Tribunal de Ética e Disciplina da OAB. Minha sugestão é que você aproveite alguma cena de novela para debater problemas jurídicos relevantes ao seu Continue lendo

Anúncios

BLOG DE ADVOGADO [3]: ESCREVER PARA LEIGOS (DICA 1)

  Olá, Jovem Jurista! No post passado, falei que uma das formas de fazer marketing de conteúdo é escrever para outros juristas. Mas existe uma forma mais rápida de potencializar a sua advocacia, que é escrever diretamente para leigos, pois você estará lidando com os seus futuros clientes. O caminho aqui também é árduo, mas a conversão de leitores em clientes é bem mais rápida do que na advocacia consultiva, onde seus clientes seriam outros advogados. Quando o assunto é escrever para leigos-clientes, algumas coisas Continue lendo

BLOG DE ADVOGADO [2]: ESCREVER PARA OUTROS JURISTAS

Olá, Jovem Jurista! Aqui é o Prof. Ronaldo Bastos. No post passado escrevi que o marketing de conteúdo deve ser utilizado para os advogados que querem atrair mais clientes. O que não falei é que é possível ter clientes tanto leigos quanto outros advogados. Se você optar por esta última, você estará investindo em uma carreira de consultoria jurídica, pois o seu objetivo é se notabilizar entre seus pares, isto é, ser considerado um jurista importante na comunidade jurídica. A vantagem aqui é que você Continue lendo

BLOG DE ADVOGADO [1]: FAZENDO MARKETING DE CONTEÚDO

Olá, Jovem Jurista! Aqui é o Prof. Ronaldo Bastos, do CPJ (https://cursodepraticajuridica.com). Hoje inicio uma série de posts com dicas de como o advogado pode potencializar a sua advocacia através de produção de conteúdo. Isso é chamado pelos especialistas de “Marketing de Conteúdo” e consiste na atividade de produzir conteúdos para uma determinada audiência e, assim, com o tempo se tornar referência naquele assunto. Quem é referência é procurado e quem é procurado é melhor remunerado. Esse tipo de marketing é relevante porque o Estatuto Continue lendo

E-book: Novo Constitucionalismo Latino-americano

Este e-book faz parte da série TEMAS CONSTITUCIONAIS, produzida pelo Blog Ronaldo Bastos. O tema deste e-book é o Novo Constitucionalismo Latino-americano. Ele possui 6 capítulos e 27 páginas. A partir do final da década de 1990, após 20 anos de governos neoliberais, a América Latina passou por um processo de ascensão de líderes de esquerda que, ainda que com suas especificidades, propunham o retorno do Estado à administração da sociedade. Dentre todos, destacaram-se Hugo Chávez (Venezuela), Rafael Correa (Equador), Evo Morales (Bolívia), Lula da Continue lendo

A crise na Venezuela e a questão do reconhecimento de um novo “governo”

*Artigo publicado originalmente no ConJur O mundo acompanha atentamente a crise pela qual passa o governo da Venezuela. Recentemente, a oposição ao governo Maduro deu uma apimentada a mais e o seu líder, Juan Guaidó, que é presidente da Assembleia Nacional, se autointitulou “presidente em exercício”. Imediatamente, vários países reconheceram Juan Guaidó como presidente de fato da Venezuela. Mas será que o “reconhecimento” conferido a Juan Guaidó é compatível com as diretrizes traçadas pelo Direito Internacional? O instituto do “reconhecimento de Estado” é um ato unilateral meramente declaratório Continue lendo

Teoria da Constituição [7] – Sentidos da constituição

Olá, Jovem Jurista! Hoje vou falar sobre um tema clássico de teoria da constituição, os sentidos da constituição. Embora haja razoável consenso sobre o que é uma constituição – documento escrito e dividido em duas partes, uma denominada de dogmática, onde estão previstos os direitos, e outra orgânica, onde se estabelece a organização do poder -, há discussão sobre a função e, mais propriamente, o sentido da constituição. Embora os manuais de direito constitucional apresentem este tema, que é, de fato, bastante teórico, sem chamar Continue lendo

E-book: “A Questão Judaica”, de Karl Marx

E-book: “A Questão Judaica”, de Karl Marx

Este e-book é um GUIA DE LEITURA da obra “A Questão Judaica”, de Marx, onde o filósofo produz a maioria de suas críticas aos direitos humanos de “primeira geração” – aqueles que surgiram com o movimento constitucionalista, no início do liberalismo, com especial ênfase na Declaração de Direitos do Homem e do Cidadão, de 1789. O texto foi publicado no primeiro e único volume dos Anais Franco-Alemães, na primavera de 1844. A sua posição aqui não é “panfletária” ou “meramente jornalística”, mas possui uma base histórico-filosófica muito Continue lendo

Novo Constitucionalismo Latino-americano

Novo Constitucionalismo Latino-americano

Este post faz parte da série TEMAS CONSTITUCIONAIS, produzida pelo Blog Ronaldo Bastos. O tema deste post é o Novo Constitucionalismo Latino-americano. A partir do final da década de 1990, após 20 anos de governos neoliberais, a América Latina passou por um processo de ascensão de líderes de esquerda que, ainda que com suas especificidades[1], propunham o retorno do Estado à administração da sociedade. Dentre todos, destacaram-se Hugo Chávez (Venezuela), Rafael Correa (Equador), Evo Morales (Bolívia), Lula da Silva (Brasil), Nestor Kirchner (Argentina), Fernando Lugo Continue lendo

Geração ou dimensão dos direitos fundamentais?

Geração ou dimensão dos direitos fundamentais?

Olá, Jovem Jurista! Em posts anteriores, falei com vocês sobre os direitos de primeira, segunda e terceira dimensão. Ocorre que alguns manuais de direito constitucional chamam de “geração” de direitos, e não “dimensão” de direitos. Aí você se pergunta: qual é o correto? Bom, no início desta teorização falava-se muito em “geração” de direitos, mas hoje prefere se chamar de “dimensão” de direitos. Isto porque geração passa a ideia de que a nova geração “enterra” a antiga, o que em matéria de direitos fundamentais não Continue lendo